A ditadura da opressão na moda

Por Matheus de Paula   

Que atire a primeira pedra aquele(a) que nunca julgou uma pessoa com base em suas vestimentas no momento ou seu modo de se vestir. Fazemos isso constantemente, ainda que de forma inconsciente. Entretanto, mal sabemos, ou, no mínimo, não nos damos conta, que estamos reforçando a prática do preconceito e da opressão no meio da moda. Sim, a moda também é condicionada por valores e ditames sociais.

01Há toda uma construção acerca da estética do corpo masculino e feminino, que acaba por gerar, como consequência, o modo como “homens e mulheres de verdade” devem se vestir (como se houvesse explicações plausíveis para definir o que é um homem e uma mulher “de verdade”).

É comum associarmos peças de vestimenta a determinado gênero. Por exemplo, o vestido é uma peça estipulada para ser tipicamente feminina, assim como a cueca samba canção, no âmbito masculino. E é, a partir dessas coerções implícitas, que o preconceito encontra aberturas para se manifestar.

A muitas pessoas é estranho ver um homem vestindo um short curto, ou uma mulher vestindo uma bermuda grande e larga. Quando se deparam com uma cena dessas, é comum que já façam associações bastante preconceituosas acerca da orientação sexual da pessoa. “Esse aí é veado! Olha só essa roupa!” ou “Essa aí é sapata, hein…” são formas de expressão típicas desse preconceito arraigado na sociedade.

02

Sem hipocrisias nem tampouco falsos moralismos, é usual que esse tipo de situação ocorra. O preconceito chega a ser tamanho que se usa a expressão “moda gay“, distinguindo a vestimenta de “homens e mulheres normais” da de “homens e mulheres homossexuais“.

Há, além da imposição heteronormativa na moda, a imposição machista também. É comum ouvirmos de muitos, e até mesmo de muitas mulheres, que “a mulher de verdade é sexy sem ser vulgar“. Resumindo: a mulher que queira e use vestidos, shorts ou saias curtas, por exemplo, é considerada vulgar, vadia, entre outros belos nomes que a descrevam dessa forma.

O ponto no qual quero chegar é: até quando essas ditaduras da heteronormatividade e do machismo irão se manifestar na moda? O que digo, em síntese, é: até quando o preconceito e a opressão vão continuar existindo também no mundo da moda?

Que nada nos defina, que nada nos limite, que nada nos sujeite. Que a liberdade seja a nossa própria substância“. Sábias palavras de Simone de Beauvior em seu “La Force de I’Age (“A Força da Idade”). O que necessitamos é disso: liberdade. Liberdade para sermos como desejamos ser e nos manifestarmos como bem entendemos, desde que não fira a individualidade e a livre-manifestação do outro. Afinal, ainda compartilho da seguinte filosofia: meu corpo, minha vestimenta, minha sexualidade. Seu respeito.

03Em defesa de uma moda livre de preconceitos.

One thought on “A ditadura da opressão na moda

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s